quinta-feira, 28 de abril de 2011

Gravação da Bateria


Baterias gravadas! As sessões ocorreram nos dias 21 e 25 de abril no Elite Estúdio, o responsável técnico por colher o áudio do novo álbum é o André Franzon que tem um curriculum vasto com experiências nos mais diversos estilos musicais, além de ser um excelente baterista.
André já trabalhou em 2007 com a Tchandala, foi o responsável por todo processo de gravação, mixagem e masterização do EP “Mirror of a Decade”. “O som de bateria que estamos buscando é um som mais orgânico, mais analógico e André é um expert em conseguir captar esse tipo de sonoridade!”, afirma Pablo Rubino, baterista do Tchandala.

Confira vídeo com trechos das gravações e fotos abaixo:
 

sexta-feira, 8 de abril de 2011

TCHANDALA


CONTATOS PARA SHOWS:  dbenjamim@gmail.com  OU pablorubino@gmail.com

Mirror of Decay


Mirror of a Decade (2007)- Single



Músicas:

01 Intro - 1:45
02 Mans enemy - 5:41
03 Beyond the power - 7:21
04 Mirror of Decay - 7:11
05 Among the Living (Anthrax Cover) - 5:49







     Na primeira faixa do single “Intro”, temos uma breve introdução no melhor estilo Arabian Nights, na qual o guitarrista demonstra profunda intimidade com o violão. Nos teclados e na bateria tem-se uma amostra de arranjos de muito bom gosto.

    A segunda faixa “Man´s enemy”, mostra de cara o poderoso feeling da banda, com riffs matadores e uma bateria muito poderosa, tendo como destaque também o veloz solo de baixo.

     As dosagens entre melodia e agressividade ficaram excelentes. Na metade da faixa, o instrumental fica mais cadenciado e com um teclado bastante melódico antecedendo o solo altamente técnico e veloz.

     É impossível não reparar na clara influência que o guitarrista tem de Yngwie Malmsteen, um dos mestres da guitarra, deixando a faixa realmente matadora!!!

     A terceira faixa é “Beyond the power” que tem um começo mais suave, com um solo de baixo no melhor estilo Joey de Maio (Manowar), mas a mesma permanece assim somente até o começo da bateria e guitarra, que vêm violentas e matadoras. Destaque novamente para o vocal, mais uma vez muito bem dosado em seus timbres, e para as melodias de teclado, muito bem ambientadas, se encaixando perfeitamente ao resto do instrumental. 
O refrão é matador, daqueles que grudam de primeira, muito empolgante, assim como a sua letra , que para quem conhece o vocalista Dejair, logo percebe que a composição é um reflexo dos momentos difíceis que o mesmo passou em sua vida, tamanha a profundidade de sua inspiração.

     A guitarra acompanha a inspiração da letra com um início de solo extremamente melódico e um duelo de guitarra e teclado de tirar o fôlego. É sem sombra de dúvidas a faixa destaque do cd! 

     Finalizando o disco, temos a quarta faixa “Mirror of Decay” que é o hino da banda bastante conhecida pelo público local, mas que teve sua letra e algumas melodias reformuladas, o que acabou deixando a mesma muito melhor, diga-se de passagem. 

     Com refrão muito pegajoso e excelente qualidade técnica, a musica mostra todo o entrosamento da banda, com destaque para os arranjos feitos pelo baterista, que deu o seu toque pessoal, valorizando ainda mais a musica.

     É realmente uma pena serem apenas quatro faixas, pois a Tchandala mostra que Sergipe tem cenário sim e não deixa nada a dever aos outros estados brasileiros.
Se você é fã de heavy metal de verdade, não perca tempo e adquira já esse material, pois temos ao nosso alcance uma banda que mostra talento, sensibilidade e profissionalismo. 





Fonte: http://www.estacaodorock.com/v2/index.php?p=6&id=7

Fantastic Darkness

Fantastic Darkness (2002)- CD 



Músicas:
01 Dark Dream - 1:56
02 Mirror of Decay - 7:32
03 My name is Hate - 5:57
04 The Lost Sky - 6:41
05 I Don`t Belive - 9:17
06 Thinking - 0:51
07 Reborn - 8:27
08 Hate of Humanity - 5:04
09 Images of Violence - 3:57
10 Natural Possession - 6:23
11 Masks of Pain - 7:55
12 Fantastatic Darkness - 7:39



    Lançado no ano de 2002. A banda possuía a seguinte formação: Dejair Benjamin (vocal), Carlos   Cardoso (guitarra), Sandro Silva (baixo), James Freitas (teclado) e André Moreira (bateria).
     Depois da curta introdução “Dark Dream”, o disco abre realmente com “Mirror of Decay”, com um excepcional trabalho de guitarras e com uma pegada bem forte – música esta perfeita para os shows da banda. Para um lado mais power e progressivo há a música “My Name is Hate”, seguida das rápidas “The Lost Sky” e “I Don’t Believe”. O disco volta ao peso característico do seu som com “Reborn”. Outra grande música é “Hate of Humanity”, com uma cara bem heavy tradicional, ao contrário de “Natural Possession”, que seguindo para um lado mais atmosférico também é uma grande composição do CD.